APL BIOTECNOLOGIA

O QUE É 

O setor de Ciências da Vida engloba áreas como saúde humana, saúde animal, biotecnologia, “digital health” e meio ambiente. Atualmente, Minas Gerais ocupa o segundo lugar no ranking nacional em número de empresas, academias e centros de pesquisa e desenvolvimento, atuando em parceria com organizações consolidadas no setor. Contudo, foi identificada a necessidade de apoio durante a criação de novos negócios para movimentar ainda mais este setor, potencializando os resultados.

Portanto, o Governo de Minas Gerais, por meio da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Ensino Superior – SEDECTES apoia iniciativas que catalisem o processo de criação de novas empresas, gerando a valorização e diversidade desse setor e, consequentemente, o crescimento econômico do Estado, gerando produtos de alto valor agregado, empresas robustas e empregos qualificados.

Algumas particularidades da área fazem com que o apoio governamental seja crucial para o seu desenvolvimento, entre eles:

  • Longo período de desenvolvimento da tecnologia, considerando sua estreita relação com a academia;
  • Alto nível de risco envolvido desde a concepção do conceito da tecnologia;
  • Necessidade de formação de equipes multidisciplinares, com diversos profissionais de qualificação extensa;
  • Complexo arcabouço regulatório envolvido com o setor;

Panorama:

Lançado em setembro de 2015, apoiado pela SEDECTES, o BioStartup Lab (http://biostartuplab.org.br) é um programa que utiliza uma metodologia inédita no Brasil. São rodadas de aproximadamente 12 semanas de duração, nas quais participam cerca de 20 equipes de empreendedores e pesquisadores por vez.

O programa busca acelerar a transformação de pesquisas científicas, de ideias e do conhecimento aplicado em soluções inovadoras - produtos e serviços-, para as áreas de saúde, agronegócio, meio ambiente e saúde digital. Com isso, o surgimento de empresas de base biotecnológica em Minas Gerais se intensifica.

Em quase dois anos de existência, o programa implementou três rodadas. Confira alguns de seus impactos:

  • Considerando suas três rodadas, o programa recebeu 1297 inscrições de empreendedores, sendo que são 411 inscrições de startups, nas quais 70% são mineiras;
  • Estas inscrições são provenientes de 08 países, 14 estados brasileiros e 119 cidades;
  • O programa conta com uma alta diversidade de instituições de ensino e pesquisa. As inscrições já recebidas são provenientes de 94 instituições diferentes tanto nacionais quanto internacionais, entre elas: a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), a Universidade de São Paulo (USP) e a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), a Singularity University (EUA), Stanford (EUA), University of Sidney (Austrália) e o Politecnico di Torino (Itália).

Além disso, a atração de investimentos estrangeiros, assim como a participação em eventos que colaborem na divulgação das soluções que estão sendo desenvolvidas internamente são pontos chave e de interesse da SEDECTES, visando o crescimento do setor de biotecnologia.

Essas ações diversificam a economia e o ecossistema mineiro, pois resultam na criação de novas startups e spinoffs oriundas de pesquisas científicas, que buscam resgatar, em curto período de tempo, uma posição de protagonista, estabelecendo-se como o principal cluster brasileiro de ciências da vida, a partir de uma perspectiva nacional e estrangeira.

 

Vídeos sobre o BioStartup Lab:

https://www.youtube.com/watch?v=s5N-p30izGY

https://www.youtube.com/watch?v=pH5HWjcrNts

https://www.youtube.com/watch?v=3Xvg5oulIao

Vídeo sobre participação brasileira na Bio Convention 2016

https://www.youtube.com/watch?v=-_ALH6Kpv-E



FOTOS