Sobre o Programa

Entenda o programa

O programa Minas Digital nasce como iniciativa pioneira do Governo de Minas Gerais, capitaneado pela Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Ensino Superior – SEDECTES, que vai gerar o desenvolvimento econômico e social do estado e do país a partir da inovação, economia digital e economia criativa. Seu surgimento busca expandir o já poderoso ambiente de inovação de Belo Horizonte para Minas Gerais.  O programa irá atuar efetivamente em todo o território mineiro, espalhado por seus 17 territórios estratégicos de desenvolvimento, abarcando todas as ações governamentais de incentivo e apoio à Ciência, Tecnologia e Inovação (C,T&I), conforme as necessidades e as vocações regionais.

  • Missão: Capacitar novos empreendedores, desenvolver projetos tecnológicos de ponta e ampliar a competitividade global das startups mineiras, prosperando de forma capilar a economia de MG.
  • Visão: Posicionar Minas Gerais como o maior polo de inovação e negócios tecnológicos da América Latina até 2018.

 

R$ 1 bilhão de investimento do Estado nos próximos dez anos

100 mil jovens formados por ano no setor de tecnologia

 

O Minas Digital foi criado em 2015, mas pretende posicionar Minas Gerais como o maior polo de inovação e negócios tecnológicos da América Latina até 2018. Para isso, serão investidos R$ 1 bilhão nos próximos dez anos, e formados 100 mil jovens por ano no setor de tecnologia e empreendedorismo. Apesar de ser uma criação da Sectes, nos Hubs de Inovação todos os atores do setor se farão presentes, tais como, FIEMG, SEBRAE, SENAI, FECOMÉRCIO, MGTI, Instituições de Ensino, CEFET de Belo Horizonte, Municípios e, obviamente, o próprio Estado, como verdadeiro articulador, fomentador e executor das políticas públicas de inovação e empreendedorismo. 

NOSSOS PILARES

Para sua criação, foram consultados os diversos atores que compõe a área em MG em relação às demandas, dificuldades e anseios do setor. Constatou-se que o Estado é absolutamente rico e fértil para o campo da inovação, seja pela presença significativa de Instituições de Ensino Superior, seja em decorrência da grande demanda das indústrias e do mercado em geral, o que faz com que o Estado passe a exercer não somente um papel de fomentador, mas, sobretudo, de articulador de todo o sistema de inovação.

Também a partir desta avaliação, a Sectes identificou suas metas iniciais e definiu seus pilares de atuação nesta primeira etapa. Foram selecionados três pontos: estruturação e organização; investimento em gaps; criação de visibilidade.

O primeiro aspecto foi colocado como prioritário pela atual falta de continuidade e desordenamento das diversas atividades presentes no Estado com foco em tecnologia, empreendedorismo e inovação. Assim, o papel do Minas Digital é coordenar as ações e auxiliar o empreendedor para que ele tenha mais chance de ter sucesso no ciclo da inovação. Dentro desse contexto, o programa Minas Digital iniciou sua programação para abranger todos os programas estaduais já existentes e criar novas propostas para preencher os gaps identificados.

O investimento nos gaps é estruturado a partir do que chamamos de Máquina de Inovação. O primeiro gap desta máquina é a falta de investimento e atenção à etapa da ideia. Está previsto o aprimoramento de nosso ecossistema de empreendedorismo e inovação, cobrindo todas as etapas do processo, da formação de empresas à atração de investimentos. Mas para isso, é necessário fortalecer inicialmente a base para criar uma cultura de inovação que consiga se enraizar em nossa população.

Em sua primeira etapa de desenvolvimento, o programa visa mostrar ao universitário que ele deve empreender e investir em tecnologia, não importando sua área de atuação. Para cobrir esta lacuna o Minas Digital criou sua primeira grande ação, os Hubs de Inovação. Serão espaços coordenados pelo Estado, de inovação e excelência corporativa, contendo cursos de empreendedorismo, cursos voltados para tecnologia via UAITEC, espaço de coworking, startups, estações de trabalho, monitoria e mentoria, espaço de convivência, salas de teleconferência. Ou seja, será a união em um ambiente organizado dos esforços para criação de uma completa formação na área de empreendedorismo e inovação. No total serão 20 casas de inovação, uma em cada um dos polos regionais e 4 na grande Belo Horizonte.

O terceiro pilar do programa é a geração de visibilidade. É preciso vender ao mundo a ideia para ampliar o apoio, fortalecer as parcerias e deixar clara a intenção de Minas Gerais de se tornar uma referência internacional. Para isso, será criado um calendário de eventos anual no estado, principalmente na capital, na área de inovação e tecnologia para inspirar o ecossistema. O programa também irá envolver as diversas mídias, como TV, rádio, jornal e redes sociais para divulgar suas ações, além da criação de um programa estadual semanal na TV aberta , para relatar as ações na área de ciência e tecnologia do Estado. E mais que isso, o Minas Digital será divulgado ao redor do mundo, com apresentações e intercâmbios de pesquisa e ambientação.